sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Rosa+Cruz desconhecida?

Meu primeiro contato com a Fraternidade Rosa+Cruz ocorreu há mais de 30 anos, quando a minha idade física (pressupondo-se que haja uma idade supra, extra ou metafísica) não chegava aos sete. Apesar de não dar a importância que o evento, apenas de acordo com a minha maturidade atual, merecia, aquele momento ficou gravado na minha mente por todos esses anos, e até hoje me recordo de tudo com precisão. Com o tempo, fui abençoado com a permissão de conhecer não apenas pessoas incríveis e de participar de todo tipo de grupo de cariz iniciático, mas também de estar em santuários, templos, mansões, oratórios e laboratórios da Confraria; mais: de banhar-me na fonte pura da energia da Casa do Espírito Santo. E posso garantir: a Fraternidade Rosa+Cruz está em todo e nenhum lugar; portanto, é conhecida e desconhecida. Todas as organizações rosicrucianas, para as quais confluem as correntes herméticas, alquímicas, cabalísticas e gnósticas, a representam, mas nenhuma a "presenta". Para todo aquele que, sendo merecedor, a busca, a Fraternidade se pronuncia - às vezes, silenciosa e veladamente, é certo, mas nesse momento a sensação é tão sublimemente única, singular e inefável, que não demora para que se compreenda o seu método de comunicação (o que não significa, porém, a compreensão da sua mensagem).
Por certo, não me é dado, querido leitor, levar-te ou a tua declaração de vontade ao Colégio da Rosa+Cruz, ou apresentar-te a qualquer um dos meus Irmãos mais velhos (sendo eu mesmo um dos mais novos entre os novatos). Também não me é dado instruir-te, pois o que tenho a dizer sobre tudo aquilo que extraí da aplicação das chamadas ciências sagradas é inútil para ti. Ai de mim! Já hoje, todo o acervo especulativo sobre o qual me debrucei por décadas não me é senão nostalgia... Mas vê: está tudo sobre o caminho. Sobre o teu caminho. Tu és o bastante: não acredites no contrário. Abraça esta oportunidade. Como? Sugiro-te começar pela prática da gentileza. Estampa um sorriso em teu rosto e sê gentil contigo e com o próximo. Assim, estarás curando um pouquinho do Mundo... e curar gratuitamente não é dever do Rosa+Cruz?
Certamente, a literatura descreve símbolos e signos mágicos capazes de operar maravilhas. Mas o que é um símbolo vazio, traçado por quem não o enxerga apropriadamente e, por conseguinte, desconectado de sua essência e desprovido da sua função (poderia dizer "de sua natureza") arquetípica? Sê tu mesmo o Pentagrama (de fato, o és) e começa a equilibrar os Elementos pela gentileza, sem abrir mão da firmeza e da autoridade que as situações eventualmente exijam de ti. Sente que o sorriso estampado no teu rosto também tem a ti por destinatário. Diz olá a ti mesmo(a) e deixa teu próprio ser sorrir-te de volta. Deixa também que cada sorriso, cada resposta de um "olá!", "bom dia!" ou "boa noite!" - de teu par, teus pais, teus filhos, teus amigos, teus colegas, teus superiores hierárquicos, teus subordinados, teus desconhecidos, de ti mesmo - seja uma fonte de felicidade para ti. Sozinho, sorri, então, ao mundo e ao próprio Universo, e captura todo sorriso, toda gentileza, que recebas de volta. Deixa que cada uma dessas respostas seja computada conscientemente por ti e sente-te merecedor(a) dessas gotas de felicidade. De fato, tu semeaste felicidade; mereces, pois, colher os dividendos da felicidade!
É por teus atos que a Fraternidade te conhecerá. Se semeias gentileza e és feliz, sem abrir mão da tua própria felicidade, certamente estás no caminho certo.
Que sobre ti caiam as bênçãos do Senhor da Iniciação!
ZadKiel R+

Um comentário:

Luna Blood Memories® disse...

Saudações, Frater Zadkiel

Nossa, estou impressionada com o que escreveu!
Eis a verdade bem publicada!

Parabéns!

Abraços